RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

 

         Para entender e resolver problemas de qualquer situação na empresa, na família ou no cotidiano é necessário conhecer a conjuntura.

         Analogamente, nas questões teóricas de livros, concursos, ENEM, ENADE, vestibulares e olimpíadas de matemática também é preciso conhecer a “conjuntura” do problema e adquirir técnica para resolvê-lo.

         As situações envolvem vários conhecimentos, embora academicamente sejam divididos em História, Sociologia, Matemática, etc.

         Em questões de qualquer campo, em primeiro lugar é preciso ler várias vezes o enunciado para entender, e isso não é perder tempo, ao contrário, é ganhar tempo, pois há uma assimilação na estrutura mental, o que é fundamental para compreender e resolver. Mesmo em concursos com muitas questões e com tempo exíguo, a primeira providência é ler com atenção. 

        Depois de ler, para dissecar o enunciado, é imprescindível distinguir o que é  DADO

        Escreva o que é  PEDIDO.

        A partir do que é PEDIDO, releia o que é DADO, selecione o que é importante do que é DADO e faça a INTERPRETAÇÃO, TEORIA E RESOLUÇÃO.

        RESUMINDO, para facilitar a resolução de um problema, podemos equacionar em 3 partes: 1) DADO, 2) PEDIDO, 3) INTERPRETAÇÃO, TEORIA E RESOLUÇÃO.

        Para incorporar a metodologia de Resolução de Problemas, escreva cada item do que foi DADO, sendo importante ou não. Selecione o que é  PEDIDO e faça a INTERPRETAÇÃO, TEORIA E RESOLUÇÃO. Há problemas com várias resoluções. Faça e refaça várias vezes, com prazer, não como obrigação. Fazendo assim, a estrutura mental enriquece e não haverá mais necessidade de escrever e seguir passo a passo esta metodologia, pois estará incorporada na sua estrutura mental e você BRINCARÁ com os textos. Resolver problemas se tornará atividade intelectual, enriquecedora prazerosa 

 

OBSERVAÇÕES

 

I) Um problema pode ser resolvido de várias maneiras.

II) No equacionamento acima, os itens podem ser escritos de várias maneiras.

III) Cada pessoa tem uma individualidade, uma estrutura mental, um conhecimento para resolver um problema. 

IV) Quanto mais exercícios você fizer, quanto mais treinar a leitura de enunciando, quanto mais aprender a equacionar, maior será a habilidade para resolver problemas.

V) Há exercícios mal formulados em livros e em provas, com interpretação dúbia, por isso, em concursos públicos e vestibulares, há questões anuladas.

VI) Há problemas desvinculados da realidade em que há necessidade de ler atentamente e equacionar minuciosamente.

VII) Em concursos para cargos públicos, o que interessa é acertar, pois uma questão pode significar estar ou não empregado. Se não conseguir resolver, é aconselhável passar para outra questão e, se não sobrar tempo para resolver, “chutar” no final.

VIII) Se em um concurso houver alguma questão em que a resposta é óbvia, coloca-se a resposta e passa-se para a questão seguinte.

IX) Se em um concurso houver alguma questão em que é mais fácil testar a resposta do que resolver, coloca-se a resposta e passa-se para a questão seguinte.

X) Hoje há concursos com mais de 100.000 candidatos e poucas vagas, com muita gente preparada e que até trabalha na área, ou seja, a chance pode ser mínima. Não passar não é frustração. Estudar para um vestibular, para o ENEM, para o ENADE ou para um concurso não é tempo perdido, é conhecimento adquirido. Fazer um curso bem feito no Ensino Fundamental, Ensino Médio e Ensino Superior, além de conhecimento, também significa preparação para resolver problemas e concursos, e, principalmente, preparação para a vida.

 

© 2012 Todos os direitos reservados.

Crie um site grátisWebnode